Mais com menos

qui, 30 junho , 2016

rh-decGerir melhor o tempo, eliminar distrações, manter o foco na atividade. Ações como essas colaboram para o aumento na produtividade e com a conquista do sucesso no trabalho

Aprender a gerir o tempo e como isso influencia, tanto nas atividades pessoais como nas profissionais, é um dos grandes desafios da vida moderna. As distrações estão por todos os lados, e perder a atenção naquilo que se está fazendo é bastante fácil. No entanto, a busca por resultados positivos, sem o desperdício de tempo, energia e dinheiro, é uma constante nas empresas de todos os portes e segmentos. E essa busca pode ser traduzida pelo conceito de produtividade.

Para o vice-presidente de Gente & Gestão da Associação Paulista de Recursos Humanos e de Gestores de Pessoas (Aapsa), Jorge Jubilato, produtividade é fazer mais, mais rápido, com maior qualidade e menos custos. “Essa é a palavra do momento nas organizações varejistas, em especial, pela situação de incertezas políticas e econômicas que estamos atravessando. E para maximizá-la, é importante repensar as atividades, rever processos, papéis e responsabilidades, além de ter foco no objetivo e eliminar ineficiências e redundâncias que, muitas vezes, nas épocas de vendas mais consistentes, ficam encobertas”, explica.

Jubilato acrescenta que, para saber como anda a produtividade da equipe, é necessário definir indicadores e mensurá-los. No varejo, os mais comuns são: vendas, margem, despesa e satisfação dos clientes. E esses podem ser desdobrados por colaboradores, unidades de negócio, tíquete médio, fluxo de clientes, entre outros.

O especialista da Aapsa lembra, ainda, índices importantes em diversos departamentos da loja. No comercial, por exemplo, precisam-se mensurar os índices de rupturas, produtos sem giro e bonificações; no financeiro, avaliam-se a disponibilidade de caixa e antecipações de recebíveis; no de Tecnologia da Informação (TI), a disponibilidade de sistemas; no marketing, o retorno sobre propagandas, campanhas e anúncios; em Recursos Humanos (RH), o volume de rotatividade de colaboradores, horas extras e absenteísmo.

Jubilato diz, ainda, que é importante se ter bons sistemas para automatizar e agilizar a apuração desses indicadores, a fim de compará-los com melhores práticas, sejam internas ou externas. 

Como mensurar a produtividade

Um colaborador produtivo é aquele que tira total eficiência de seu tempo e recursos dados para atingir suas metas, sem retrabalho ou aumento de tempo. “Colaborador produtivo é aquele que produz 100% dentro das horas normais de trabalho, com total qualidade”, constata o coach (treinador) e especialista em gestão de pessoas, Paulo Paiva.

Para diferenciar o produtivo do distraído, as ferramentas de medição são uma possibilidade, porém segundo a coach e diretora da CCS Consultoria, Coaching e Sustentabilidade, Karen Gimenez, em casos em que elas não se aplicam, o gestor precisa ter uma aprimorada capacidade de observação, inclusive do comportamento dos funcionários.

“Um bom indicador de falta de produtividade é o funcionário que reclama de tudo. Que foca sempre no problema e não na solução. Quem foca na solução costuma ser produtivo. Ainda sobre postura, quem mira no resultado e não no processo (o processo é importante, mas ele é o meio e não o fim) tende a ser mais produtivo”, indica Karen.

Segundo ela, para estimular os colaboradores a produzir mais e melhor, é necessário fazer com que eles entendam como a atividade deles está inserida no todo e traz consequências para todo o processo. “Uma segunda dica seria mostrar como a atividade desenvolvida por aquele colaborador pode ajudar as pessoas ao ser executada. Quando o colaborador vê que a sua atividade tem sintonia com algum valor pessoal seu, ele tende a ser mais produtivo”, analisa Karen, sugerindo que a gestão do tempo é formada por 80% de gerenciamento das emoções e 20% de conhecimento sobre ferramentas de produtividade.

Captura de Tela 2016-06-30 às 09.16.56

Afaste as distrações

Calor ou frio demasiado, baixa luminosidade, ruído, ergonomia ou fatores emocionais são alguns dos motivos que podem deixar o colaborador menos produtivo. Além disso, uma liderança ruim e até mesmo problemas na infraestrutura da empresa podem afetar o rendimento e a produtividade, isso sem falar dos fatores modernos, como o uso do celular no trabalho, algo que vem sendo constantemente revisto e discutido entre gestores e equipes.

Para Karen, além de o líder dar e-xemplo de comprometimento com o trabalho, também é preciso ofertar boas condições para o mesmo. “Um ponto importante é ter processos mapeados e devidamente esclarecidos”, comenta.

Autor: Adriana Bruno